terça-feira, 29 de junho de 2010

Faz um tempão...

Gente...só me dei conta de que o tempo voa, quando resolvi abrir o blog e dar uma espiadinha...afff, andei completamente sumida!!! Nem tinha percebido, mas junho já está acabando e eu não tinha vindo aqui ainda....

SAbe, esse mês foi muito corrido, mesmo!! Tive visitas por uns dias, muitas tarefas a cumprir, muitas coisas que colocar em dia...e acabei me esquecendo de passar por aqui. Que feio!

Mas prometo que aos poucos vou tentar retomar, mas peço que me ajudem a sentir vontade de voltar aqui...portanto COMENTEM!! Participem, deixem recadinhos, ok?

Agora vou fazer umas coisinhas do dia a dia e depois volto para "conversar" mais um pouquinho, ok??

Beijokas

Sonia

domingo, 30 de maio de 2010

Tempo...."quanto tempo a gente tem?".....

Olá! Faz muito tempo que não venho aqui, é verdade! O tempo acabou ficando maior por causa da culpa por não aparecer....daí eu pensei - outra hora apareço - e assim se foi o mês de maio....Puxa!!!

Daí me peguei pensando em porquê estamos cada vez com menos tempo, ou então não estamos sabendo administrá-lo. Acho que a segunda hipótese é a mais provável. Concordam??

Eu ando fazendo tantas coisas e ao mesmo tempo tão poucas...acho que mais pessoas estão se sentindo assim . Muitas tarefas da casa, das filhas ( que ainda precisam muito de mim ), do marido, das aulas, da comunidade, do blog....e acabo fazendo aquelas que são mais urgentes em termos de prioridade. Norma. Todas somos assim...é ou não é??

Mas as vezes fico frustrada por não conseguir fazer mais.

Na semana passada montei uma exposição no Centro de Cultura e Turismo Bertholdo Gaussmann, de Estrela. A casa é muito bonita, estilo antigo e tem um espaço ótimo para exposições. Não é que ficou bonita? Muitas pessoas já me telefonaram para falar sobre a exposição que ocorre até o diaa 11 do mês que vem. Realmente ficou bonita. Modéstia bem à parte. Mas sei lá, me parece que pelo lugar ter pé direito alto, paredes claras e iluminação própria correta, as coisas aparecem mais.

Coloquei lá algumas toalhas, alguns panôs e muitos outros trabalhos. Bah, é gostoso ver nosso trabalho sendo elogiado por aí! Valeu o sacrifício de subir em escadas e móveis, kkkk

Daí fui à Gramado no fim de semana para pesquisar preços e disponibilidade de vagas para outubro para o Festival de Patchwork. Olha, deu um certo trabalho, mas acho que vai valer à pena tb.

Agora estou aqui tentando retomar o blog, que ficou assim, meio abandonadinho....coitado! Mas vou me esforçar para retomar as postagens, ok??

Bem, por enquanto só posso desejar que todas tenham um lindo início de semana e que o mesmo seja muito produtivo!

Beijos no coração!!

Sonia

domingo, 16 de maio de 2010

É preciso ânimo para mudar....

...e não deixar a peteca cair....
Faz muitos dias que não passo por aqui, infelizmente! Ando meio sem tempo e com muitas coisas a gerenciar ao mesmo tempo....afff, nem sei porque somos assim, quando nos damos conta estamos envolvidas com mais coisas do que damos conta, kkkk. Acho que todas nós temos manias de super mulher!

Eu andei sumida por várias razões. Uma delas é o tempo, a outra a desmotivação! É isso mesmo. Ando meio desmotivada e um pouco triste; afinal quase ninguém passa por aqui e raramente deixam recadinhos....para nós que gostamos de blogar, os recados são importantíssimos, quase como combustíveis! Se não nos alimentam, não andamos.
Há outros motivos tb, claro! Eu não sei porque mas ainda não consegui me organizar para tirar porveito da melhor maneira possível do meu curto tempo. As vezes gostaria que um dia tivesse 30 horas ao menos....mas acredito que ainda assim nunca teríamos tempo....

Ando meio desanimada pois dias chuvosos não me "apetecem", fico lerda, preguiçosa e comilona - eca!! Se fizer frio, tudo bem, até já me acostumei às baixas temperaturas do RS, mas chuva e frio...ninguém merece!! Pior ainda quando ficam aqueles dias húmidos em que tudo em casa fica molhado, com cheiro de gato e cachorro molhado, com cheiro de mofo....ui, que nojo! Pois então...por aqui tem andado assim.

E como o sol não dá as caras, caminhar nas ruas, nem pensar. E uma coisa leva à outra.....ai que saudades dos dias ensolarados!!!

Bem, como eu disse, é preciso coragem e perseverança para mudar!! Espero encontrar minha força de vontade de outrora quando eu decidia uma coisa e corria atrás para mudá-la. Espero em breve encontrar um décimo dessa força, assim quem sabe me animo a mudar as coisas que não estão me agradando, né??

Bem, espero voltar à ativa em breve e visitar as amigas blogueiras e deixar recadinhos.

Beijos saudosos e .....

Sonia

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Já é Maio!!

Gente !! Que loucura, como o tempo passa!

Eu fiquei uns dias sem entrar aqui e deixar minhas impressões e experiências...foi por falta de tempo, de organização, por pouca intimidade com blogs ( estou esperando uma amiga que disse que me ajudaria...) e por decepção!!
Sim, decepção!! Eu demoro um tempão para aparecer, quando consigo fazer tudinho do jeito que quero e colocar umas fotos....o que acontece?? Abro o blog, dia após dia para ver se tem comentários...e nada!! Pior; algumas das fotos sumiram!!!! Assim, sem mais nem menos. Não sei se elas sumiram depois que resolvi finalmente colocar umas fotos no Picasa ( pode não ter nada a ver...), mas sei que elas sumiram.Fiquei chateada, triste mesmo. BROXEI!
Mas, já se passou mais de uma semana e achei que deveria passar por aqui. Mesmo que fosse para eliminar alguns espaços vazios deixados pelas fotos desaparecidas....

Bem, tenho tanto a falar e tão pouco tempo....Estou envolvida com as aulas, com muitos projetos em andamento, com meus UFO's que estou tentando exterminar (kkk) e ainda por cima me meti em mais dois projetos....fazer o que né?? Parece que só funciono melhor na pressão...kkkkk

Essa semana pretendo iniciar um dos projetos que mencionei, que por enquanto é segredo. Aguardem. Em breve estarei falando à respeito.

Olha gente, não é fácil ser mulher multi função!! Sou mulher, mãe, esposa, dona de casa, professora , gerenciadora de uma comunidade, bloggeira, etc.....AFFFFFF

Bem, acho que por enquanto é só. Em breve volto, mas desejo uma linda semana e lindos trabalhos!!

Beijokas

Sonia

domingo, 25 de abril de 2010

Vazio....

Sabe, as vezes me pego pensando o porque de tanta gente sentir um vazio. Aquele vazio inexplicável, que dói, que incomoda, que faz chorar. Depressão dirão alguns. Outros dirão - falta do que fazer. Será??? Ou será que é excesso do que fazer e pouco tempo para??? Não importa qual das razões seja a sua ou a de alguém que conheces, com certeza estará ligado ao stress.
Stress pode causar danos físicos além dos psicológicos. Pode nos adoecer.
As vezes eu fico triste, sem mais nem porque. Não deveria, não tenho motivos. Sou saudável, tenho uma família linda que me apóia em tudo....mas a tristeza vem e nos consome. Daí a pouco passa...e nem me lembro que fiquei triste. Faz parte do ser humano curtir um pouco de solidão de vez em quando.
Aos que nos amam, resta ter paciência e esperar. As vezes a única coisa que queremos é um ouvido, ou um colinho..... Passa.
Por isso se de vez em quando ficares assim, lembre-se que sempre terá alguém que ficará muito triste se ficares tb. Por isso, levante a cabeça, busque forças no seu mais íntimo e verás que aquela nuvem escura era passageira. Lembre-se que há muitas pessoas que necessitam de nosso sorriso, de nosso brilho no olhar, porque para algumas pessoas é só o que elas têm.
Força na peruca ( como diz uma conhecida ) e bola pra frente. Amanhã é um novo dia e devemos começar a trilhá-lo hoje.
Beijos carinhosos e sorridentes!

Sonia

sábado, 24 de abril de 2010

4ª Brazil Patchwork Show - São Paulo / SP - 13 a 16 de Abril de 2010

Bem, finalmente falemos da feira.A feira, o que falar da feira?? Muita gente foi lá esse ano pela primeira vez. Umas pessoas gostaram muito, outras já nem tanto. Umas foram esperando encontrar trabalhos expostos como em Gramado, se decepcionaram. Outras pessoas queriam só os stands de compra, ficaram muito felizes. O que parece que foi comum à muita gente é o fato de que a feira cresceu muito e o lugar por consequência está minúsculo, causando congestionamento de mulheres, de sacolas, bolsas e um pouco de tumulto. Ouvi inclusive dizer que alguns objetos dos stands foram furtados....que feio!!
Mas enfim, isso é a feira de patchwork. Eu tenho ido desde a primeira edição em 2007 e posso garantir que o número de expositores mais que dobrou . Embora isso seja fato, eu sempre adoro essa muvuca!! Nessas feiras, sempre encontro amigas virtuais que passam a ser reais, reencontro amigas , vejo tecidinhos novos, materiais, coisas bonitas, etc....
Foi uma semana emocionante. Principalmente para mim. Foi a semana de encontros tão esperados, de abraços apertados ,de sorrisos trocados, de alegrias. Tive a oportunidade de conhecer pessoalmente algumas das pessoas que são membros da minha comunidade no Orkut - Eu amo fazer patchwork!!! - e posso garantir, foi muito bom!! Foi SHOW!!! Abracei com vontade as gurias de São Paulo e região ( Andrea,Ilíada,Arlete, Márcia Valéria, Leide, Márcia Rey, Dinha, Tina, Rosa), de Santa Catarina ( Andreza, que estava acompanhada de uma amiga secreta muito legal - adorei te conhecer!! ), do Rio Grande do Sul ( Thanira, Didy, Mara ), do Rio de Janeiro ( Luna Meire)e encontrei outras gurias muito queridas que conheci em outra ocasião.
Foi uma semana de fazer contatos, de crescer. Dei abraços apertados na Professora Pilar Donoso , do Chile e em sua amiga e sócia Monica, tb do Chile. Tiramos fotos juntas. Mostrei à elas meu trabalho (um painel em vitral) que teve início em Buenos Aires e elas gostaram muito. Disseram que ficou bonito. Aliás, ele ficou exposto no stand da ABPQ, onde no dia 14 as 17 horas fiz uma demonstração de como se fazer os bloquinhos de siggies. Foi legal!!
Conheci a Alessandra que estava trabalhando no stand da ABPQ e que é uma pessoa muito simpática e prestativa. Obrigada por tudo viu, Ale?? Conversei bastante com o Presidente , José Mauro Netto, que tb é o organizador do Festival de Patchwork de Gramado. Trocar idéias com pessoas que estão nesse meio, é ótimo. Tive a oportunidade de conhecer pessoalmente a Gyselle da Minuano com quem já havia trocado telefonemas e e-mails. Gy, tu és muito fofa e estás linda gravidinha!! Parabéns!!
Ah, claro que tivemos os momentos flash com muitas amigas, fazendo muitas poses e sorrindo bastante. Tiramos fotos com o Dotan Mayo, que além de ser o apresentador do Programa Ateliê na TV, é uma pessoa muito simpática, com muita paciência, além de ser tudo de bom!!! KKKKK (Gente, ele é cheiroso e muito sorridente - lindo!!!).
Não posso me esquecer da "padoca". Ah...aquela padaria da esquina é maravilhosa! Tem filas tb, é verdade, mas é tudo de bom e mais um pouco. Fui lá muitas vezes durante aqueles dias. Lanchinhos e fotos foram um must!
Gente, caminhei tanto lá dentro que nem sei. Quando chegava no apartamento do Renato ( amigo de infância que gentilmente me hospeda durante a feira ), estava moída e com dor nas pernas de tanto caminhar, kkkkk. O Renato é um caso à parte. Ele é um amigo muito querido e é show. Sempre me abriga de coração aberto. Ele tem por companheira uma cadela muito fofa, a Dama, que tb é um show à parte. Gente, ela ficava lá atrás da porta me esperando voltar....muito fofa!!
A semana foi atribulada, mas maravilhosa!! Fiz uma bolsa junto com a Andrea na casa dela ( Dea, vcs 3 são o máximo - adoro vcs!), e na véspera de voltar ainda fomos à uma pizzaria muito boa junto com a Ilíada. AMEI TUDINHO!!!
Estive no ateliê de Rute Sato. Foi muito legal. O local é todo decorado com seus trabalhos lindos, tudo muito organizado. Sua coleção de gatinhos é fofíssima e as alunas são bem queridas! Me receberam muito bem. Eu, Rute e uma aluna almoçamos juntas e foi muito agradável. Obrigada Rute pelo carinho e atenção. Numa próxima visita ao sul, querendo aparecer, será um prazer recebê-la.
Xiiiii, já ia me esquecendo...fui com meu irmão e minha cunhada ao moto clube deles. O pessoal lá é muito bacana e me receberam muito bem. Adorei.
Enfim....voltei para casa e para minha rotina de aulas e de dona de casa, mãe, esposa, amante, etc, etc.....
Acho que finalmente é só.....
Beijokas e até qualquer momento.

Sonia

domingo, 4 de abril de 2010

Essa semana será corrida!

Gente, estou um pouco ansiosa...afinal no sábado que vem, dia 10 estou embarcando para São Paulo para a feira de PATCHWORK e tenho que deixar aqui em casa tudo muito bem encaminhado. Sabe como é né?? Maridão vai ficar sozinho com as filhas e daí eles se atrapalham um pouco. Além disso, essa semana darei aulas normalmente, e ainda tenho umas coisinhas a fazer!!
Ó dúvida cruel....será que levo uma mala grande ou uma pequena?? estou cansada de pagar excesso de bagagem, mas a temperatura está mudando um pouco e não sei realmente o que levar. Detesto passar frio!!
Bem, no mais sigo aqui tentando acabar meu trabalho em vitral para poder mostrá-lo , quem sabe; antes da feira, né??

Beijokas e bom restinho de domingo!!

Sonia

Fim de semana em família!

Gente, esse fim de semana foi bem família!! Aproveitamos bem nosso cantinho com nossas filhas e curtimos uns filminhos em casa com direito à pipoca e tudo!!
Ontem, sábado, fomos com as crianças ao cinema. Levamos as gurias para assistir ao filme "Como treinar seu dragão" em 3D. Foi show!! Elas amaram!!!!! Eu me emocionei e junto com a Victoria, minha filha mais velha choramos discretamente no cinema, kkkkk
Amo esse universo de desenhos animados e fantasia!! De dragões e fadas , de misticismo e mistério. Amo filmes adultos que sejam assim tb!!
Ontem no filminho deu até vontade de que os dragões existissem e que pudéssemos ter um de estimação!! É a magia do cinema nos fazendo sonhar!!
Bem, com eu ao dragões, fadas e afins, em breve discorrerei sobre o tema, falando inclusive sobre os Celtas e toda sua aura de encantamento!! Aliás, amo os símbolos celtas!! Até tenho uma tattoo assim!! Vou anexar a foto ao lado.
Hoje domingo de Páscoa foi e está sendo um dia caseiro novamente, e tranquilo.
Bem...acho que por enquanto é só!!

Feliz Páscoa e bom finzinho de domingo!

Beijokas,

Sonia

sábado, 3 de abril de 2010

De volta à realidade....

Ois gente!! Eu andei sumida né?? Mil desculpas. Mas enquanto estava na Argentina, ficava difícil aparecer por aqui, pois eu usava um pc no hotel, e tinha outras pessoas para usar tb; logo, não podia me demorar.
Bem, eu "descobri" que de verdade eu AMO Buenos Aires e não me lembrava mais disso, kkkk. Eu já estive lá antes, em outras ocasiões sempre passeando e me divertindo, mas fazia 15 anos que não pisava lá!! Decidi que de agora em diante vou ir até lá com mais frequência, afinal daqui até lá é tão pertinho....
Eu fui para lá uns dias antes do Festival Latinoamericano começar. Estava acompanhando meus pais e por esse motivo os dias foram de bater pernas e olhar vitrines, entrar em cafés ( que existem uns 3 ou 4 por quadra ), eventualmente comprar algo e passear!! Foram dias ótimos!!
Daí chegou o dia da abertura do festival. Me encontrei com outros brasileiros que lá estavam pelo mesmo motivo e nos reunimos para "rachar" o táxi. Infelizmente, o local do evento era um pouco longe do centro e só chegando lá de táxi.
Tirando o fator locomoção, o local é MARAVILHOSO!!!!! É uma fundação - museu, que abriga obras de arte e decoração que inicialmente pertenciam à família Raggio, antigos donos do local. Eles doaram a casa e todo seu patrimônio à cidade de Buenos Aires e a prefeitura tombou o local. Outras obras foram sendo agregadas ao longo dos anos e por isso, a casa transpira arte.
As peças de patchwork que estavam expostas, estavam distribuídas por todas as salas e ambientes da casa, misturadas entre as obras de arte. Um luxo só!!
Cada detalhe de cada cômodo, chamava a atenção. Destaque especial para a sala redonda de pé direito altíssimo com uma cúpula pintada , um piano de cauda ( cuidadosamante coberto ), portas com vitrais na parte de cima e o mármore que estava por toda parte. De cada porta dessa sala redonda podia-se ver as peças de patchwork penduradas estrategicamente nos corredores em volta dessa sala. Tudo muito lindo mesmo!!
Outro destaque imponente era a sala de janta que embora fosse escura pelo madeiramento em toda sua volta e as cortinas pesadas, era luxuosíssima e claro, cheia de arte por todos os lados. Haviam duas lareiras nessa sala, uma imensa mesa de jantar e objetos antigos. Sobre a mesa e pendurados pelas paredes, mais patchwork.
Do lado de fora da casa pelos jardins, havia mais obras de arte...por todos os lados!! Gente, só vendo para crer.
Pena o local ser afastado do centro....
O que foi muito legal, foi perceber que nós brasileiros não estamos tão mal na fita. Explico. Lá na Argentina, assim como no Uruguay e no Chile, eles encontram dificuldades em comprar tecidos, material próprio de patchwork e tudo que envolve nosso universo de costura. Eles, na sua maioria,são obrigados a comprar o que tem a disposição , que é material importado, tecidos importados. Portanto eles gastam muito; já que tudo é convertido para pesos argentinos, chilenos, ou uruguaios à partir do dólar americano.
Para quem mora nas capitais, ainda assim fica um pouco mais fácil. Mas existem muitas quilteiras do interior, que são obrigadas a encomendar tudo das capitais, ou seja, mais um custo de envio!!
Gente, as minhas alunas as vezes reclamam que não encontram tecidinhos.....eu disse à elas que parassem de reclamar e agradecessem por termos quase tudo à nossa disposição, e melhor, produtos nacionais!!
Nossos tecidinhos fizeram sucesso por la´. Digo isso, pois nas oficinas das quais participei, todas as colegas estavam admirando nossas estampas e a qualidade do tecido. Uma surpresa agradável!
Aliás, quanto às oficinas. SHOW!! Adorei conhecer Pilar Donoso, uma chilena que viveu muitos anos nos Estados Unidos e que tem trabalhos lindíssimos. Ela estará em São Paulo, na feira ministrando os mesmos cursos de Buenos Aires. Ela é muito simpática e aberta a conversas e trocas de experiência. Estava acompanhada de uma de suas sócias, a Monica, uma simpatia tb!! Elas duas e mais uma outra possuem uma loja em Santiago, no Chile, onde vendem material, peças prontas e ministram aulas.
A outra professora era a Alison Schwabe, uma australiana radicada temporariamente no Uruguay. Bem agradável também e uma artista. Ela faz patchwork numa linha mais artítica, masi livre. Bem diferente. Ela é mestra em - freehand rotary cutting - ou seja, corte livre com o cortador, sem uso de réguas!! Cada peça linda ela trouxe para nos mostrar!!!!
No mais, foi tudo muito bom!! A troca de experiência com outras pessoas, o convívio com os brasileiros fora de casa, tudo é sempre muito gratificante.
Eu tive boas surpresas. Descobri que uma pessoa que eu achava meio esnobe, é na verdade muito querida, só que extremamente tímida e por esse motivo passa a impressão errada. Mas adorei conviver com ela por uns dias. Foi bom para derrubar por terra essa impressão ruim que eu tinha.
Tive a oportunidade de conviver com a Ana Helena, que eu já conhecia de Gramado, e partilhar bons momentos com a Ingrid Sessegolo, uma amiga de Cruz Alta que também foi ao festival.Por lá estavam ainda o Marcos Hidalgo da Revista Profissional Patchwork ( uma simpatia de pessoa ), a Rute Sato, a Sandra Callegari, entre outros.
Gente, daí eu conheci pessoalmente a Luna Meire de Teresópolis. Uma simpatia tb!! Junto dela estava uma Argentina muito sorridente e simpática, a Marcella. Adorei encontrá-las!!
No meio disso tudo, pude desfrutar de um show de Tango maravilhoso, caminhar por aquelas ruas lindas e históricas, ver aqueles edifícios arquitetônicos maravilhosos do centro e praticar meu espanhol, que eu descobri não se perdeu e apesar de meio atrapalhado, me ajudou a semana toda!!
Bem, acho que foi só. Precisa mais???? KKKKK
Vou tentar colocar algumas fotos aqui e qualquer coisa, entrem em contato comigo.
Super beijo de Feliz Páscoa e até!!

Sonia

Aqui estamos nós: Luna, Eu e Marcela!!

segunda-feira, 22 de março de 2010

Direto da Argentina

Gente, bom dia!!

Estou teclando com vcs daqui da Argentina e é por isso que andei sumida....
Cheguei na madrugada de sexta para sábado e tenho caminhado bastante. Estou aproveitando enquanto o Festival Latinoamericano ainda nao começou para passear com meus pais.
Ontem, fomos a um show de Tango. Tudo muito lindo!!!!

Hoje vou caminhar mais um pouco e vamos visitar uma amiga deles que mora aqui. Amanha vou procurar uma amiga virtual que está por aqui na cidade tb. Ela é do rio, a Luna Meire. Só a conheço por net, finalmente vamos nos conecer pessoalmente. Vai ser legal.

Com certeza vou encontrar muitas outras "malucas" que amam patch a ponto de viajar alguns km, kkkkk

Bem, por enquanto é só. Me voy!!

Beijokas e até breve.

Sonia


terça-feira, 16 de março de 2010

Reencontrar amigos....

Fico muito feliz em partilhar com vocês que de quando em quando reencontro algum amigo de minha infância ou de minha adolescência. E que isso me faz muito feliz!! Mesmo sabendo da angústia de talvez não ter participado da vida dessa pessoa por um certo período, mas que igualmente nunca deixou de ser importante para mim!!
O Orkut tem me proporcionado encontrar pessoas que me foram muito caras e que a vida de algum modo nos afastou....cada um seguiu seu rumo e é assim mesmo que acontece.
Tenho encontrado novos e tão caros amigos, mas os que significaram muito nunca foram esquecidos.
Ontem tive o privilégio de reencontrar pessoalmente um amigo que há muito havia se mudado para a Alemanha e que desde então nunca mais havíamos nos visto. Gente que EMOÇÃO!!
Mesmo depois de 18 anos sem nos vermos, foi como se os tempos de adolescência nunca houvessem passado. Claro que estamos mais velhos, mais pesados e mais grisalhos...mas continuamos nos admirando como quando jovens!!
Para que pudéssemos nos ver, ontem fiz uma maratona. Saí de casa, busquei minhas filhas no colégio e me mandei rumo à Porto Alegre. Almoçamos e fomos ao aeroporto buscar meu querido amigo. De lá o levamos ao hotel e fomos passear um pouco. Ele comprou sorvete e lanches para as crianças e nós tomamos cafezinho ( coisas de paulistanos ) enquanto conversávamos. Depois, segui rumo de volta à Estrela e mal pisei em casa já era hora da minha aula.
Pena que 3 horas não foram o suficiente para colocar em dia 18 anos de estórias de nossas vidas, mas valeu cada minuto!!
Daqui uns dias ele retorna à Alemanha e só Deus sabe quando nos veremos de novo.
Nem mesmo o cansaço da correria deixou que minha adrenalina baixasse, e demorei um montão para dormir. Hoje estou sonolenta e meio preguiçosa, mas FELIZ!!
Bem, desejo que todos tenham um lindo dia. O meu vai ser corridíssimo; afinal estou nos preparativos para a viagem à Buenos Aires.
Mas, nos "falamos" em breve.

Beijos no coração!!

Sonia

domingo, 14 de março de 2010

"Projeto de Quilt traz ajuda às vítimas de Tornado"

Um Tornado levou Dorothy à Terra de Oz. Em abril de 1998, um tornado e um quilt levaram algumas crianças do Alabama para o Alaska. E New Hampshire. E todos os outros estados da União.
O projeto realmente começou antes dos ventos soprarem. A professora de 5ª série Kay Johnson queria melhorar as habilidades motoras dos alunos na escola de ensino fundamental Concord; em Bessemer, um subúrbio de Birmingham. Uma quilteira iniciante, Kay decidiu combinar a feitura de quilts e geografia.
Tudo que foi preciso foi uma nota no quadro de avisos da internet na escola. Kay pediu que quilteiras contribuíssem com quadrados de 12 cm representando seus estados; enquanto isso cada aluno deveria pesquisar um estado. Conforme os blocos iam chegando, os alunos iam se correspondendo com as doadoras para aprender mais sobre seus lugares distantes.
Pinson, Alabam; a quilteira Kathy English, montou o topo do quilt com os blocos doados para a turma. Com a ajuda de outras voluntárias todas 330 crianças na escola se revezavam para cada uma colocar pontinhos de quilt no trabalho.
Então veio o Tornado. Os ventos que sopraram naquela noite de abril destruíram as casas de muitos alunos da Concord. Conforme as notícias alcançavam as ondas de rádio, quilteiras por toda a parte começaram a agir.
As amigas virtuais de Kay não perderam tempo em tentar saber por e-mail se Kay estava bem. Perguntas como essa vieram aos montes de todas as partes do país e do exterior. Quilteiras doaram dinheiro e roupas.
Então vieram os quilts. Na internet Kay escreveu - "Eu gostaria de ter um quilt para enrrolar em volta de cada aluno e professora como se fossem abraços à ajudar". A resposta foi imediata - 48 quilts vieram de pessoas que se importam ao redor do mundo. Um quilt para cada criança e professora na escola Concord que perdera sua casa na tempestade, recebeu um quilt.
As crianças terminaram seu quilt de 50 estados americanos com entusiasmo renovado.
Elas aprenderam sobre como fazer quilts e sobre os estados americanos. E as crianças da escola Fundamental Concord aprenderam sobre a bondade de estranhos.

Texto extraído do livro "Relax and Quilt " - traduzido por Sonia Cazarim

Fotos abaixo.




sábado, 13 de março de 2010

Semana corrida.

Meninas, essa semana foi meio corrida e mal tive tempo de entrar na internet. Aff!!! Pois é, a vida voltando ao normal. Ainda bem!

Estive bastante ocupada arrumando horários e tentando colocar tudo em ordem, afinal estou sem "secretária" do lar e além de tudo que já faço, tenho que cuidar da casa tb....kkkk

Mas, estou feliz, principalmente pq o maridão me ajudou a criar a logo da comunidade e daqui para frente será bem legal para que as gurias que são membros possam se identificar nas feiras. Legal, né???

Em breve vou explorar o maridex mais um pouquinho e pedir a ele que gentilmente façamos a logo da "minha marca" tb. Aguardem!!

Bem, por enquanto é só. Mas volto em breve e colocarei mais um texto que acredito seja muito útil para nós patchworkeiras!!

Beijos de montão

Sonia

segunda-feira, 8 de março de 2010

Dia Internacional da Mulher!

Desejo à todas as queridas mulheres que passarem por aqui um lindo dia!! Que todos os dias sejam bonitos e tenham motivos para serem comemorados!!

Beijos no coração!!

Sonia

Ainda sobre os anos 30...

Da mesma autora de livro de onde saiu a pesquisa do texto anterior, Darlene Zimmerman; pude extrair a seguinte informação.

Ela dedica o livro à memória de sua avó Emma Meta Mathilda Meyer, que foi sua fonte de inspiração desde sempre. Darlene conta que suas memórias mais antigas da avó são dela costurando, quiltando, crocheteando, cozinhando, or jardinando.Ela diz que as mãos de sua avó estavam sempre ocupadas, nunca ficavam sem ter o que fazer. Darlene conta que sua avó fez muitos quilts e que deu um a cada um de seus 16 netos!
Ela também nos conta que aprendeu como fazer um quilt na época que fez faculdade na mesma cidade que morava sua avó e que a avó a ensinou a costurar e como fazer um quilt. Ela então resolveu fazer um quilt de "Grandmother's flower garden" que é o mais bonito , mas o mais difícil de se fazer à máquina. Ela aproveitava suas horas vagas durante a universidade para tentar juntar todos aqueles pedaços com precisão.
O casamento depois da faculdade, muitos anos lecionando e o iniciar de uma família a desviou por um período de alguns anos da feitura de quilts. Quando ela decidiu voltar (ela decidiu ficar em casa com seus 3 filhos em idade pré escolar), sua avó já havia falecido, então ela teve que se auto ensinar a costurar aqueles hexágonos do jardim da vovó. Sua mãe lhe disse que esperasse as crianças crescerem para se dedicar a feitura de quilts, mas ela decidiu-se em fazê-los assitindo a um programa de televisão onde a apresentadora dizia que todos podem fazer um quilt, que são capazes. E daí por diante ela não parou mais de fazer quilts, desenhar ferramentas úteis ao patchwork, escrever livros e desenhar tecidos. Ela tem certeza que sua avó a olha lá do céu com contentamento e aprovação. E ela ainda termina seu texto de dedicação à avó dizendo que é muito grata pela inspiração e que ainda sente falta dela!!

OBS: fotos abaixo

Espero que esse texto também sirva de isnpiração à vcs!!

Beijos

Sonia



"Quilts anos 30"

Sabe aqueles tecidinhos floridinhos, bem lindos e miudinhos que tanto gostamos?? Então, eles representam bem os quilts dos anos 30. Mas, o que são esses quilts??
Pesquisando meus livros e jornaizinhos achei coisas maravilhosas sobre eles. Uma verdadeira aula de história. Agora então compartilho com vocês sobre esses quilts.

Texto de : Darlene Zimermann e adaptado por Maria Helena Peters de Alemida e Marly Domingues. Extraído do Jornalzinho - O Ponto - jornal da ABPQ, nº 14- Ano 3 - Setembro 2008

Para entender o que torna os quilts dos anos 30 tão atraentes, temos que retroceder no tempo. Os quilts desde o início até a metade do séc. XIX pareciam muito diferentes. As cores eram geralmente escuras e tristes, e sua variedade limitada; pois as pessoas usavam roupas escuras e seus quilts eram usualmente feitos com os retalhos de seus tecidos.
Por outro lado, nessa mesma época, as técnicas de tingimento utilizavam recursos naturais de origem vegetal, o que tornava os tecidos propensos à descoloração e ao esmaecimento . No final do século XX, os quilts incorporam os tecidos de camisa ( pequenas padronagens em preto e azul,escuro sobre o branco).
Por determinado período naquela passagem do século, os quilts tradicionais saíram de moda."Crazy Quilts" passaram a estar na moda divulgada pelas revistas femininas que desprezavam os quilts tradicionais, e eram uma declaração de riqueza, mostrando a disposição de tempo e dinheiro para gastar na confecção de quilts sem utilidade.
"Red Work" ( trabalho com ênfase na cor vermelha ) e "Blue Work" ( ênfase na cor azul ) foram também muito populares na virada do século.
Até o início da Primeira Guerra Mundial, a Alemanha liderava a produção de tintas para tingimento de tecidos.Durante o período de guerra com a Alemanha, novos processos de tingimento foram desenvolvidos mediante a utilização de derivados de petróleo. Assim, novas cores foram disponibilizadas: amarelo manteiga, lavanda, verde, rosa, azul celeste, tangerina, pêssego e vermelho. Essas cores pastéis eram baratas e amplamente difundidas.
Os jornais, as revistas femininas e as lojas de departamento promoviam os quilts e dsiponibilizavam modelos. Apareceram então novos modelos que se tornaram sinônimos daquele período: Double Wedding Ring (anéis de casamento), Dresden Plate (o prato de Dresden),Grandmother's Flower Garden ( jardim de flores da vovó) e Sun Bonnet Sue.
Em algum momento, no final da década de 20, os fabricantes de saco de aniagem, que originariamente se destinavam ao armazenamento de farinha, açúcar ou ração de galinha (feed sacks) começaram a imprimir desenhos neles. Naturalmente, esses tecidos encontraram seu caminho na feitura de quilts.
Os quilts em tons pastéis foram agrupados sob a denominação de "Quilts anos 30" denotando o período de tempo transcorrido entre 1920 e 1950. Eles compartilhavam muitas coisas em comum: uma ampla variedade de padronagens e tecidos lisos, muitas vezes originados de sobras de costureiras, uma relação de cores pastéis e interessantes variações de finalização.
Aqueles sacos de aniagem coloridos, representavam um importante papel tanto para a sociedade em geral como para as quilteiras em particular.
No final da década de 80 a Indústria Têxtil Americana resgatou os desenhos que eram impressos nos feedsacks, relançando-os em metro.
E desde então, esses tecidos têm lugar cativo no mundo do quilt onde são conhecidos como "paninhos dos anos 30" até hoje.

domingo, 7 de março de 2010

Domingo de novo!

Gente, a semana passa e nós nem nos damos conta....que coisa, já é domingo de novo!! KKKK
Bem, para variar estou com muita preguiçaaaaaa. Domingo é o meu dia de preguiça. Acordo tarde, enrrolo para fazer as coisas... sei lá. Mas, afinal depois de uma semana de trabalho bem atribulada, eu mereço!
Essa semana que passou foi uma semana de retomar as coisas, de dar aulas e agendar horários. Foi um pouco confusa, mas foi bem legal! A semana que começa hoje vai ser um pouco menos confusa, mas acredito ainda cheia de novidades.
Não tive muito tempo de passar por aqui e deixar recados, ou relacionar assuntos do nosso mundo do patchwork, mas pretendo não deixar o blog tantos dias sem post, ok??
Muitas emoções brotaram durante a semana que passou. Foram emoções de euforia, de alegria, de apreensão, de surpresa...Mas adoro sentí-las, portanto foi uma semana feliz!
Estou meio "fora do ar" tb por causa dos preparativos para minha ida à Buenos Aires , no Festival Latinoamericano. Tenho que me programar para deixar a casa funcionando ( marido e filhas bem orientados ), as alunas encaminhadas até minha volta, e pequenos outros detalhes de viagem, tipo, que roupas levar, que sapatos não levar (kkkk) , que objetos podem ou não ir na minha bolsa, etc....Embora a Argentina seja "aí" do lado, o voo para lá é internacional e para esse tipo de voos existem regras mais rígidas desde o fatídico dia 11 de setembro de 2001.
Ah, além disso vou ter que usar meu passaporte pois para se usar a carteira de identidade a mesma só pode ter até no máximo 10 anos de emissão. A minha, bem a minha tem "um pouco" mais que isso, kkkkk. Logo, já que não terei tempo hábil para fazer uma via nova, usarei o passaporte.
Agora vou fazer umas coisinhas da casa, pequenas arrumações ( run errands - como se diz em inglês ) e depois mais tarde volto aqui com algumas coisinhas mais a dizer.

Beijokas e até daqui a pouco

Sonia

terça-feira, 2 de março de 2010

Voltei da caminhada...

...que eu faço com a Tati , minha fiel companheira. Nós vamos conversando, trocando idéias sobre paninhos, decoração, coisas do dia a dia...e por aí vai.
Depois que voltamos, a convidei para um chimarrão.Aqui no RS toma-se chimarrão , e é isso que oferecemos às visitas quando elas vêem à nossa casa!! Quando morávamos em SP, oferecíamos cafezinho.
E dê-lhe conversar mais um pouco....kkkkk. Sempre temos assunto! Olhamos umas revistas de arquitetura e decoração, trocamos mais idéias e estamos planejando fazer mais uma toalha de galinhas juntas. Aquele projeto que eu chamei de roda-roda das galinhas, tb fizemos em dupla.
Bem, agora então vou ao meu banho revigorante e depois sigo com minha rotina. Hoje de tarde e de noite tenho alunas. Se eu não estiver muito cansada ainda passo por aqui mais tarde, senão, fica para amanhã.
Acho que por enquanto é só.

Beijokas

Sonia

Bom dia , flores do dia!!

Hoje , apesar do sono, estou feliz!! Com vontade de fazer muitas coisas! Agora nesse momento estou me preparando para ir fazer minha caminhada, que retomei com alegria; afinal o calor deu uma trégua e a gente não sai desmaiando pelas ruas....
Depois que eu voltar, tiver tomado um banho bem revigorante, volto aqui e retomaremos alguns assuntos.
Por enquanto desejo que todas tenham um lindo início de manhã!!

Beijos no coração!!

Sonia

segunda-feira, 1 de março de 2010

Galináceas

Pois é, não é difícil achar quem goste das galináceas, ou das cocós, como carinhosamente as chamo.Entre 15 mulheres, me arrisco a dizer que 16 gostam muito delas!!
Houve uma época em que as vacas faziam todo o sucesso....por algum tempo , os porquinhos foram a sensação. Mas depois que as galinhas chegaram, vai ser difícil algum outro animal desbancar a pole position delas!!
Elas podem ser de aplicação, de foundation, bordadas, estilizadas,coloridas, em tons de marrom, pretas e brancas, de Angola, de Portugal, xadrezes, de bolinhas, de listras, sei lá... Todas, mas TODAS mesmo têm seu charme e chamam nossa atenção.
Nas casas das quilteiras tem sempre algum trabalho que remeta à elas. Um panô, uma toalha de mesa, panos de prato, bandôs de cortinas de cozinha, etc...Têm as gordinhas, as magrinhas, as de pernas curtas, de pernas compridas. As que se "sentam" nos nossos móveis, as que se dependuram de algum prego na parede, as de apertar. Ah, têm as de madeira tb!!
Gente, não tem como negar. Elas são um sucesso.
Eu as ADORO!!!!! Tenho várias de vários tipos. Só não curto as de verdade pq fazem muita sujeira,kkkk.
Então por ter tanto amor pelas galináceas, resolvi compartilahr com vcs meu sentimento.
Há mais ou menos uns 3 anos atrás, escolhi um projeto e decidi fazer uma toalha de mesa. Convidei minhas alunas que quisessem fazer a mesma toalha que se organizassem e comprassem seus tecidos preferidos. Houve quem dissesse -ah, mas não vou fazer o mesmo trabalho que a fulana-. Houve quem achasse que uma toalha talvez fosse muito. Mas claro, houve aquelas que toparam prontamente e decidiram se aventurar comigo!! Bah, posso dizer com certeza que no total foram umas 14 toalhas de galinha. Mas, nenhuma ficou igual. Embora o projeto fosse o mesmo, cada uma tem uma preferência por determinada cor, cada uma tem seu estilo próprio de bordar.
É o que sempre digo para as alunas - não tenham medo de ousar! Usem e abusem de seus gostos, escolham as cores que gostam e não temam em ter um trabalho "igual" ao de sua colega; nunca eles ficam iguais!! Mesmo que a mesma pessoa faça dois trabalhos idênticos, eles não ficam idênticos.
Se vcs forem na galeria de fotos, verão algumas das cocós aqui de casa. Espero que gostem!!

Beijokas no coração de todas!

Sonia

domingo, 28 de fevereiro de 2010

Etiquetas no quilt.

Nossa querida amiga Miriam ( da Comunidade - Eu amo fazer pathcwork!! - ) , me perguntou sobre etiquetas. No momento em que li suas dúvidas pensei se ela estaria se referindo às etiquetas de identificação de peças ou às etiquetas de "propaganda" ( Logomarca, etc...) de um produto, tipo uma bolsa, um enfeite, ou uma boneca.
Acabei me demorando mais dias do que gostaria para responder à ela. Então , hoje decidi postar aqui para vocês uma pesquisa que fiz com base em um jornalzinho.
A referida fonte é - "O Ponto",jornalzinho da ABPQ (Associação Brasileira de Patchwork e Quilt), nº14, ano 3, setembro de 2008.

Por: Desatando Nós - Quiltéria

* É importante colocar etiqueta no quilt??
Sim é, por duas razões: uma que você registra para a posteridade quem fez, porque, e qualquer história interessante que faça parte daquela peça; outra é que você identifica sua peça, tornando-se mais difícil que alguém se aposse de sua autoria.

* Como fazer a etiqueta?
Você pode comprar pronta (existem vários tecidos com estampas de etiquetas), ou fazer a sua própria; nesse caso, aí vão algumas dicas:

- Desenhe com canetas próprias para tecido ( Micron é um exemplo ), criando ou copiando algum modelo: pode ser florzinhas, bichinhos, folhas ou até algo relacionado com o desenho do prórpio quilt, como estrelas, Sun Bonnet Sue, log cabin, etc....
- Você pode fazer aplicações na etiqueta, também acompanhando o modelo do quilt, ou pode bordar, fazer aplicação persa, colocar embelezamentos ( miçangas, botões, contas, etc....)
- E lembre-se - o tamanho da etiqueta é determinado por você, levando em conta a proporção com a peça.
- Para garantir que sua etiqueta não seja facilmente removida, você pode aplicá-la no forro do quilt antes de quiltá-lo, assim , quiltando junto com a peça, será realmente difícil para qualquer pessoa removê-la.

* Que informações a etiqueta deve conter?
Nome da peça, nome do autor, técnicas usadas, autoria do desenho ( se foi copiado, citar de quem, se é uma adaptação, colocar a fonte original), endereço e telefone são pedidos por algumas exposições. Informe sempre sua cidade e a data em que o quilt foi terminado. Pode ter também qualquer história ligada à peça: se foi feito para alguém, para alguma comemoração ( nascimento, casamento, etc...), ou qualquer outro fato pertinente.

* E finalmente, onde colocar?
O lugar mais indicado é embaixo e à esquerda do forro do quilt.

Com esses cuidados, você valoriza ainda mais seu quilt, e ele poderá ser apreciado ( quem sabe ) por muitas outras gerações....


Bem espero que tenha esclarecido algumas das dúvidas....quanto às etiquetas de propaganda, sei que existem várias pessoas que as fazem sob encomenda...inclusive, Leide, tu não fazes isso?? Vamos checar com nossa querida amiga Leide e saberemos a resposta.
Vou tb tentar colocar umas fotos de exemplo de etiqueta, ok??

Beijokas no coração de todas!!

Sonia

Domingo de preguiça...

Gente, hoje é domingo, daí bate aquela preguiça básica...sabe como é, né??
Mas são tantas as coisas a fazer!! Amanhã reinicio com minhas aulas de patchwork .Eu ainda estou meio desanimada, porque parece que nem todo mundo voltou ao ritmo normal de vida....parece que alguns ainda estão em férias ou no carnaval.....afff
Algumas alunas só retornarão em abril, após a a Páscoa, e isso desanima um pouco, mas fazer o que ? Em compensação tem gente nova começando e novidade é sempre renovador!
Bem, está certo que não posso reclamar!! Em março agora, participarei do 1º Festival Latinoamericano de Patchwork e Quilt em Buenos Aires, Argentina. Já comprei as passagesn, já me inscrevi em dois cursos , só falta reservar o hotel. Estou ansiosa por isso. Adoro a Argentina, me imaginar na terra do tango....ah, o tango!! Eu falei para vocês que quando eu morava em São Paulo eu fazia aulas de tango?? De bolero? Salsa? Merengue? Soltinho? Samba de Gafieira?? Pois é...acreditem, eu fazia!! E adorava!!! É do que mais sinto falta dos meus tempos de SP....e dos amigos , claro!!O trânsito e a poluição , eu dispenso.
Depois em abril, vou rumo à minha terra natal - São Paulo - para a 4ª Brazil Patchwork Show!! Lá, não farei cursos, mas verei os amigos de caminhada, as novidades e encontrarei com muitas amigas virtuais que vão com certeza se tornar reais!! Ah, tb vou reencontrar algumas amigas que já foram virtuais e hoje fazem parte do meu coração!!
Mas....e quanto ao domingo?? Ah, tem a preguiça, né?? Estou aqui pensando se faço almoço ou se saio para almoçar fora...Estamos com uma hóspede aqui em casa; uma amiguinha de minha filha mais velha. Eu até digo que ela é nossa filha postiça, afinal está sempre conosco, kkkk
Bem, vou me decidir o que fazer.....e depois conforme o pique volto aqui.
Tenho muitas coisas para mostrar, muitas coisas a escrever, relatar, dividir...
Então, até breve! Beijokas

Sonia

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Falando em Páscoa....

Gurias!! Eu aprendi a colocar fotos no blog!!! Andreza querida, obrigada! Sem sua ajuda eu nem sei o que seria de mim!! Obrigada de coração!!


Falando em Páscoa....ela logo se aproxima...muitos preparativos nos esperam. A preparação de um novo panô; um casal de coelhos quem sabe, cenouras...o que a imaginação permitir. A foto que postei de Páscoa é de um panô que foi feito à quatro mãos. Meu marido gentilmente colocou no papel as idéias que tinha na cabeça, e eu as transformei em trabalho de patchwork. Essa é uma parceria muito legal!! Ainda bem que tenho o desenhista em casa!!!kkkk

Agora que já estou começando a engatinhar aqui no blog, espero em breve torná-lo mais interessante ainda!! Vou tentar colocar dicas e fotos e até por que não - moldes!!

Aguardem mais um pouquinho, afinal tudo aqui é novidade para mim!!

Beijos carinhosos e boa noite!!

Sonia

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Lições sobre quiltar...

"Meu filho me ensinou uma lição sobre quiltar. Quando ele tinha 20 anos, Dan me deu um vale presente que poderia ser trocado por aulas de como quiltar, em uma loja especialisada em patchwork. Fui lá e aprendi muito. Com minhas habilidades recém adquiridas, eu ofereci ao meu filho que poderia remendar a pequena manta em pedaços que eu havia lhe feito quando era criança e que ele arrastava por todos os lados desde os 5 anos de idade...
Feita de retalhos de um grupo de senhoras do Texas, aquela manta tinha suportado um uso contínuo e inúmeras lavagens....mas estava aos pedaços.
Mas Danny, meu filho; tirou rapidamente a manta das minhas mãos e abraçou-a junto ao peito rejeitando veementemente minha oferta de torná-la "tão boa quanto nova".
"Você não entende" - disse-me Danny - "Nada que você fizer a essa manta a tornará melhor do que ela já é. Minha vida toda está nessa manta. "
Então ele relembrou-se de inúmeras memórias de infância...quando a usou como tenda no quintal com os amigos, de como se cobriu com o cachorro e ambos se aqueceram em dias ruins, ou quando esteve doente e cobriu-se com ela para sentir-se melhor...
Dan, mantém essa manta guardada - não para uso - só para tê-la como recordação.
Eu só posso esperar que as colchas que faço, sejam amadas até ficarem em pedaços."

Kitty Sorgen - Newburry Park - California - USA
Do livro "Relax and Quilt"
Traduzido por : Sonia Cazarim

Estórias...adoro ouví-las, lê-las.....principalmente se forem bonitas e com alguma lição de vida....

Porque eu quilto
" Foi humilhante. Lá estava eu, recém-casada e passando o primeiro Natal com a família de meu marido. Eu queria dar uma boa impressão. Então, imagine meu horror quando, com todos os parentes dele observando, eu abri um pacote bem grande que minha mãe havia me dado e tirei o quilt mais feio que você possa ter visto.
Meu embaraço só aumentou quando todos me pediram que o abrisse totalmente. As tiras e a borda eram de um turquesa extra brilhante e vivo. O patchwork tinha todas as cores que se podia imaginar sob o sol. O forro era um fúcsia que se sobressaía ainda mais que o turquesa.Mamãe não sabia a primeira coisa sobre fazer um quilt, que era planejar a combinação de cores. E o quilt
mostrava isso. Era terrível. Mas ele tinha sido feito com amor, então tornou-se parte da nossa família.
Com o tempo, o "QUilt da Vovó" tornou-se um mestre de cerimônias. Ele viajava no carro nos passeios da família, e frequentou muitos piqueniques. Serviu até de forte para as crianças, quando foi jogado sobre algumas cadeiras. Foi lavado à máquina mais vezes do que eu possa contar. E aquele quilt feio tinha uma mágica que desafiava a razão.Quando uma criança ficava doente, o "Quilt da Vovó" tornava-se parte da cura. Quando ele era enrolado à nossa volta, a gente automaticamente se sentia melhor. Também trazia conforto quando o mundo não estava sendo um bom lugar.
Hoje, o quilt está em frangalhos - quando quer que o usemos, partes dele caem ao chão. Um dia não sobrará nada. Por enquanto, porém, embora meus filhos estejam crescidos, ele ainda possui alguns poderes mágicos. Não consigo me lembrar se algum dia disse à minha mãe o quão importante o presente dela havia sido para nós.
Eu comecei a quiltar em 1985, em boa parte por causa daquele precioso e horrendo quilt.
Eu aprendi todas as técnicas e agora consigo fazer qualquer peça com o que há de melhor. Meus pontos são bonitos e juntinhos. Sei tudo sobre os valores das cores. Mas não sei se os quilts que faço , algum dia terão os poderes mágicos do "Qilt da Vovó"."

Por Beverly Leasure, Dunedin, Florida , USA
Do livro : Relax and Quilt
Traduzido por Sonia Cazarim

Quando e porque comecei a fazer patchwork...

Bem, desde que me lembro, gostava de mexer na máquina de costura da minha mãe ( ela mesma, nem
ligava muito para a máquina...). Ficava imaginando que gostava e que sabia costurar roupas lindas e maravilhosas...rsrsrsrs. E lá em casa quem sempre teve e gostou de máquinas de costura, foi meu pai. Sim, meu pai! Por incrível que possa parecer, ele desde muito jovem trabalhava como aprendiz de sapateiro e aprendeu a usar uma máquina de costurar sapatos. Dali pra máquina de costura foi um pulo!! Me lembro de ele ter tido 6 máquinas!! Claro que nem todas ficavam em casa, afinal morávamos em apartamento e apartamento é apartamento. Ele distribuiu suas máquinas pelas casas de parentes e amigos.
Muito tempo depois, um dia, resolvi pedir a uma amiga da minha mãe que fazia reformas em roupas que me desse uns retalhos....uau!! Foi aí que tudo começou!! Eu então fiz uma "mochila" de retalhos brancos, cinzas e pretos. Andava com essa mochila para cima e para baixo....Depois fiz alguns enfeites de cabelo estilo "Porcina" ( se lembram da novela Roque Santeiro??). Daí uma coisa levou à outra.
Mas o que eu não sabia, era que existia um nome para essa união de retalhos e que existia muita técnica!!
Muitos anos depois, já morando no Rio Grande do Sul ( sou paulistana, lembram-se??), quando estava grávida da minha filha mais velha, e fazendo yôga, conheci uma mulher que iria mudar minha vida!! Seu nome - Juçara Gianluppi!! Ela era minha colega das aulas de yôga e um belo dia me apareceu com uma mantinha de bebê linda!!! Me apaixonei imediatamente e disse que tb queria fazer uma para meu bebê!! E ela disse que sem problemas, me levaria à uma loja de tecidinhos e me ajudaria. Foi o pontapé inicial!!! De lá pra cá, fiz muitos cursos ( sempre que a condição financeira ajudava...), e comprei muitos livros e revistas. Como sou professora de inglês, material importado para mim é sempre um desafio. Muita coisa que aprendi, aprendi sozinha, lendo e fazendo como na matemática - tentativa, erro e acerto - e tem funcionado bem.

( Essa foi a primeira manta que fiz! )

De quando em quando aprendo uma técnica nova em algum festival, já tive aulas muitas vezes em Gramado no Festival de Patchwork e Quilt; fiz cursos em São Paulo e sempre que posso troco idéias com quilteiras mais experientes. E claro, leio e pratico bastante. Mas o que mais me desenvolveu, foi começar a dar aulas de patchwork. Como aprendi!!! E continuo aprendendo!!!!!
Hoje em dia faço de tudo um pouquinho, e quero sempre mais novos desafios. Faço tb bonecas e fuxicos, bordados e outras coisitas com feltro.Também acabei enveredando pelo caminho da pintura country em MDF. Alguns dos botões dos meus panôs, eu mesma pintei!
O que sempre digo à minhas pupilas é - soltem a imaginação e ousem!!! Bem, acho que por enquanto é só.

Beijos!!!

Emoções...

Como eu já havia mencionado, sou professora de inglês e ler livros nessa língua para mim é um prazer. Ler livros de patchwork e quilt então, um prazer maior ainda!Junte as duas coisas e o que acontece?? Emoções....
Foi assim que aconteceu quando li o texto abaixo. Estávamos em Porto Alegre, no aeroporto esperando uma tia que vinha nos visitar e para passar o tempo resolvi ler o livro recém adquirido. Qual foi a surpresa então que ao terminar o texto, as lágrimas rolavam soltas pelos meus olhos, molhando toda minha face. Minha família ali ao meu lado sem entender nada....e eles me perguntavam o que havia acontecido...e eu sem fôlego para explicar!! Gente, foi tanta emoção , mas tanta emoção que só lendo mesmo para entender. Portanto, deliciem-se!! Deixem comentários se quiserem!!

Beijos

Quilt histórico torna-se símbolo de bondade
Os pioneiros que se estabeleceram no Oeste Americano trouxeram consigo quilts que eram recordações preciosas e cobertas necessárias para o frio no novo continente. Mas, uma vez, um pequeno quilt que veio do Leste Americano tornou-se um símbolo de confiança e bondade entre estranhos.
Emma Bradburry, uma jovem viúva e sua filhinha, viajaram de trem de Connecticut a Ohio, e depois de descerem do trem, compraram uma carroça e seguiram viagem para o Kansas, onde moravam os pais de Emma. Era uma jornada perigosa para uma mulher fazer sozinha, mas Emma não era uma mulher comum.
Viajando através do oceano de pastagens que eram as planícies do Meio-Oeste americano, um dia Emma avistou ao longe um índio solitário. Ele atraiu a carroça de Emma em sua direção. Emma aproximou-se com um rifle nas mãos, tentando imaginar o porquê de aquele índio parecer tão agitado. Ele levou Emma e a carroça para um conjunto de árvores próximas, onde a esposa do índio estava quase dando à luz . Após Emma ter ajudado a índia a dar a luz a um menino saudável, ela enrrolou o bebê em um pequeno quilt que ela havia feito como presente a seu sobrinho. Embora houvesse trabalhado longas horas nos pedaços vermelhos e amarelos daquele quilt, a necessidade daquela criança recém-nascida era imensa.
Naquela noite, Emma cuidou daquela família de índios em sua carroça. "Por que eles estavam sozinhos?" - ela imaginava. De onde teriam vindo?Pela manhã o jovem índio guiou a carroça a uma aldeia próxima.
O medo de Emma por estar cercada de índios logo desapareceu. Apesar da falta de uma língua em comum, ela entendeu a gratidão de todos. A carroça logo estava carregada com presentes dos índios agradecidos, que a enviaram de volta a seu caminho com sorrisos nos lábios. Porém, antes de partir, Emma encontrou um pedaço de papel e escreveu seu nome e o nome da cidade para onde estava indo. Ela deu o papel ao jovem marido índio que ajudara, e que obviamente não entendeu nada.
Conforme Emma se afastava com sua carroça, ela ficava pensando consigo mesma porque tinha feito aquilo.Emma chegou ao Kansas em segurança. Ela casou-se de novo e criou uma família. Um dia, mais de vinte e dois anos após sua aventura indígena, o marido de Emma grita seu nome do lado de fora da casa onde moravam, e trazia notícias de que um índio havia chegado à cidade com o nome dela escrito num pedaço de papel.
Quando Emma saiu à porta para falar com o marido, um jovem alto a cumprimentou. "Eu sou Águas
Claras", ele disse. "Se você é Emma Bradburry, então é a pessoa que me trouxe ao mundo. Agora, é justo que eu traga meu próprio filho para que você o veja."
O coração de Emma disparou enquanto ela pegava a criança em seus braços, porque o bebê estava
enrrolado naquele pequeno quilt que ela havia feito tantos anos atrás.
A família indígena havia cuidadosa e carinhosamente guardado aquele quilt como símbolo de bondade e de amor universal às crianças.

História original contada por M. L. Kitsen, descendente de uma amiga de Emma Bradburry, Louise Christy.

Texto tirado do livro "Relax and Quilt" - traduzido e adaptado por Sonia Cazarim

Será que chego lá??

Oi gente!! Puxa...anda difícil me organizar, colocar meu ateliê para a volta as aulas em dia, terminar UFO's e ainda gerenciar a comunidade de patchwork que criei no Orkut, sem falar em casa, marido, filhas, etc.....

Para piorar esse calor anormal não está ajudando em nada.....Aff.....quando será que vai acabar??? ( nunca imaginei que um dia na minha vida fosse querer que ficasse mais frio, kkkkk)....é acho que estou "envelhecendo"....

O desânimo é total, a preguiça geral...mas daí me lembro de tantas coisas piores, de tanta gente em pior situação que resolvo erguer a cabeça e seguir adiante.

Então com a memória de uma amiga virtual que me diz que tenho que "bombar" o blog, me encho de coragem e vou enfim começar esse blog!!

Essa amiga virtual, só continua virtual porque nas duas ocasiões em que combinamos de nos encontrar, algo saiu do controle, mas em breve nos veremos e trocaremos muitas idéias!! Ela se chama Andreza Boal e é a dona do blog fofíssimo "Tecendo sonhos ". Querida, obrigada pela força!! Só que vou precisar muito de tua ajuda, tá??

Ah, não posso deixar de agradecer a Leide ( outra amiga virtual ) que já vi tornou-se minha seguidora nesse blog que nem direito inaugurou....obrigada Leide querida! Tu tb és uma fonte de energia nas horas difícies!!

Bem, enfim, vou tentar atualizar o blog diariamente e colocarei aqui um pouco da minha experiência nesses anos de patchworkeira, colocarei aqui tb muitos textos e informação que acredito sejam de suma importância para aquelas que assim como eu são loucas por patchwork!! São loucas pela estória por trás de tudo isso e por tudo o de bom que trocar experiências pode significar.

Beijos e até breve!!